AVISO IMPORTANTE

"As informações fornecidas são baseadas em artigos científicos publicados. Os resumos das doenças são criados por especialistas e submetidos a um processo de avaliação científica. Estes textos gerais podem não se aplicar a casos específicos, devido à grande variabilidade de expressão da doença. Algumas das informações podem parecer chocantes. É fundamental verificar se a informação fornecida é relevante ou não para um caso em concreto.

"A informação no Blog Estudandoraras é atualizada regularmente. Pode acontecer que novas descobertas feitas entre atualizações não apareçam ainda no resumo da doença. A data da última atualização é sempre indicada. Os profissionais são sempre incentivados a consultar as publicações mais recentes antes de tomarem alguma decisão baseada na informação fornecida.

"O Blog estudandoraras não pode ser responsabilizada pelo uso nocivo, incompleto ou errado da informação encontrada na base de dados da Orphanet.

O blog estudandoraras tem como objetivo disponibilizar informação a profissionais de cuidados de saúde, doentes e seus familiares, de forma a contribuir para o melhoramento do diagnóstico, cuidados e tratamento de doenças.

A informação no blog Estudandoraras não está destinada a substituir os cuidados de saúde prestados por profissionais.

segunda-feira, 29 de junho de 2009

GALACTORREIA

Galactorreia A galactorreia define-se como a produção de leite pelas mamas nas mulheres que não estão em período de lactação ou nos homens. Em ambos os sexos, a causa mais frequente de galactorreia é um tumor na hipófise que produz prolactina (prolactinoma). Em geral, os prolactinomas são muito pequenos quando se diagnosticam pela primeira vez. Por outro lado, tendem a aumentar de tamanho mais nos homens do que nas mulheres. Os medicamentos, tais como as fenotiazinas, alguns dos fornecidos para tratar a hipertensão (sobretudo a metildopa) e os narcóticos, aumentam a produção de prolactina e, por conseguinte, causam galactorreia. O hipotiroidismo (diminuição da função da tiróide) também pode provocar esta perturbação. Sintomas Apesar de a produção de leite pelas glândulas mamárias poder ser o único sintoma de um prolactinoma, muitas mulheres deixam de ser menstruadas ou começam a ter períodos menstruais anómalos. As mulheres com prolactinomas começam a sofrer ondas de calor e secura vaginal, o que causa incómodos durante uma relação sexual. Os homens tipicamente sofrem dores de cabeça ou perdem a visão periférica. Cerca de dois terços dos homens perdem o interesse pelo sexo e tornam-se impotentes. Diagnóstico Para determinar a causa de uma produção anómala de leite, utiliza-se uma combinação de análises de sangue e tomografia axial computadorizada (TAC) ou ressonância magnética (RM). Os sinais da deficiência de estrogénios são óbvios num exame físico, enquanto os valores da prolactina e outras hormonas, como a luteinizante e a foliculoestimulante, exigem uma análise de sangue. Os exames com TAC ou RM podem revelar pequenos prolactinomas e, se o tumor for grande, o oftalmologista efectua exames dos campos para detectar defeitos da visão. Tratamento Os prolactinomas são tratados por meio de diversas técnicas. Quando a concentração de prolactina no sangue de um paciente é muito alta e o exame com TAC ou RM detecta apenas um pequeno tumor hipofisário ou absolutamente nada, o médico pode prescrever a administração de bromocriptina ou inclusive não recomendar qualquer tratamento. Nas mulheres, a bromocriptina tem a vantagem de aumentar os valores de estrogénios (muitas vezes baixos naquelas que apresentam valores elevados de prolactina), o que as protege de desenvolver uma possível osteoporose. A bromocriptina deve ser recomendada às pacientes com prolactinomas que pretendam ficar grávidas, além de que também contribui para interromper o fluxo de leite. Prescrever-se-ão estrogénios ou contraceptivos orais que contenham estrogénios às mulheres com pequenos prolactinomas, já que não existem provas de que os estrogénios provoquem uma aceleração anormal do crescimento dos tumores pequenos. A maior parte dos especialistas recomenda um exame anual com TAC ou RM, no mínimo durante 2 anos, para assegurar que o tumor não cresça demasiado. Os médicos tratam em geral com bromocriptina ou cirurgia os doentes que apresentam tumores grandes (macroadenomas), depois de terem efectuado um estudo do sistema endócrino. O tratamento é coordenado com um endocrinologista, um neurocirurgião e um radioterapeuta. Se a bromocriptina faz diminuir a concentração de prolactina e os sintomas desaparecem, a cirurgia é, com frequência, desnecessária. Mesmo quando se recorre à cirurgia, a administração de bromocriptina pode reduzir o tumor antes da operação. Apesar de a intervenção cirúrgica inicialmente normalizar a concentração de prolactina no sangue, a maior parte dos prolactinomas reaparece. A radioterapia só se utiliza quando os sintomas se agravam e o tumor cresce apesar do tratamento com bromocriptina. As concentrações de outras hormonas da hipófise podem diminuir durante vários anos depois de se aplicar a radioterapia.

2 comentários:

leila disse...

oi tenho prolactina normal,mas tenho leite em uma mama;meu medico me dise que e rara esse meu poblema!ja nao sei mas o que fazer me ajude!todos os meus exames estão normais!

Anônimo disse...

Ola, bom dia fazem quatro meses que eu passei por uma cirurgia plastica, mamoplastia de aumento com protese de silicone, apos tres semanas meus pontos não estavam cicatrizando e eu voltei a clinica para refazer os pontos quando o medico viu que minhas proteses estavam envolvidas de leite ( galactorreia)e tive que retirar as proteses, bom eu fiz todos os exames antes de fazer a cirurgia a apos retirar as proteses fiz os exames para ver se eu tenho alteração na prolactina mas todos resultados deram normais não sei mais oque fazer gotaria de saber o motivo que isso aconteceu e se eu vou poder colocar novamente as proteses aguardo respostas obrigada
Aline Sousa