AVISO IMPORTANTE

"As informações fornecidas são baseadas em artigos científicos publicados. Os resumos das doenças são criados por especialistas e submetidos a um processo de avaliação científica. Estes textos gerais podem não se aplicar a casos específicos, devido à grande variabilidade de expressão da doença. Algumas das informações podem parecer chocantes. É fundamental verificar se a informação fornecida é relevante ou não para um caso em concreto.

"A informação no Blog Estudandoraras é atualizada regularmente. Pode acontecer que novas descobertas feitas entre atualizações não apareçam ainda no resumo da doença. A data da última atualização é sempre indicada. Os profissionais são sempre incentivados a consultar as publicações mais recentes antes de tomarem alguma decisão baseada na informação fornecida.

"O Blog estudandoraras não pode ser responsabilizada pelo uso nocivo, incompleto ou errado da informação encontrada na base de dados da Orphanet.

O blog estudandoraras tem como objetivo disponibilizar informação a profissionais de cuidados de saúde, doentes e seus familiares, de forma a contribuir para o melhoramento do diagnóstico, cuidados e tratamento de doenças.

A informação no blog Estudandoraras não está destinada a substituir os cuidados de saúde prestados por profissionais.

domingo, 20 de dezembro de 2009

Síndrome de Opsoclonus-Mioclonus

Síndrome de Opsoclonus-Mioclonus (OMS) é
uma condição rara. Têm sido descritas a existência de
anticorpos antineuronais e de alterações inflamatórias e
degenerativas. A disfunção dos circuitos corticais-cerebelares
pode estar relacionada com a desregulação afectiva e
alterações comportamentais observadas no OMS.
A primeira descrição de Opsoclonus-mioclonus-
ataxia foi feita por Kinsbourne4 em 1962,
daí ser denominada de síndrome de Kinsbourne.
Este autor a descreveu como a síndrome dos olhos
e pés dançantes, aspecto clínico a que o clínico
deve atentar na suspeita do diagnóstico. É também
conhecida como encefalopatia mioclônica
da infância ou ainda encefalopatia cerebelar aguda,
aspectos mais graves do quadro.
Existe um debate acerca da etiopatogenia da
doença, e embora hoje se acredite ser o resultado
de um processo mediado imunologicamente7, em
que pode haver um desencadeante viral, especialmente
pelo vírus de Epstein-Barr (EBV)2. A suspeita
de causa imunológica é reforçada pela resposta
da OMA a agentes imunossupressores,
notadamente o ACTH, e dos relatos de uso de
imunoglobulina endovenosa com sucesso7.

Um comentário:

genteboa disse...

a verdade é que temos que nos atualizar sempre para que tudo não seja diagnosticado como virose e a consequência será nefasta como a OMA.